NetimAz
"Será bem vindo qualquer sorriso, qualquer expressão de amor."
NetimAz
+
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
cjwho:

Art meets ARTchitecture In The Concete Penthouse Of Christian And Karen Boros | Photography: Ailine Liefeld
The Bunker, this historically significant Second World War building was originally constructed for the German railway company by reinforced concrete, and was used as a shelter to protect travelers who arrived at the Friedrichstrasse Railway station from air raid attacks. Architect Karl Bonatz was commissioned by Nazi Germany the architectural design of The Bunker; the building had a capacity which could shelter up to 3,000 passengers in five floors. Of the original unique characteristics of this historical building were the up to two meter thick walls, as well as the three meter thick concrete roof. The original interior spatial layout has an axially symmetrical layout; while the exterior façade on all four sides is identical – made of raw concrete and accentuated by fine details.
CJWHO: facebook  |  twitter  |  pinterest  |  subscribe
+
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
formascriticas:

Intervenções no espaço público por Balanzategui + Loisier
É disto que eu gosto! Antes de fazer algumas considerações sobre o projeto, não posso deixar de agradecer aos autores. Eu sei, provavelmente nunca vão ler este post, mas, senti-me na obrigação de o fazer, adorei a ideia.
Este projeto realizado pelos Txomin Balanzategui e Thomas Loisier, alunos da universidade de ENSAP em Bordeaux, França, para a Baia de Txingudi, insere-se no tema: Intervenções no espaço público. A sua forma e implantação fez-me lembrar a Casa em Zahara e o Centro de Interpretação da Natureza, do arquiteto espanhol Campo Baeza e isso agradou-me bastante.
Segundo o autores, este volume construído em betão, pretende ser (mais) uma rocha, um género de caixa de ressonância, húmida e perigosa que pretende transcrever as sensações do oceano, como se fosse um tributo ao mar e a tudo o que ele representa para a cidade de Hondarribia, uma pequena antiga cidade na costa oriental de Espanha.
O interior desta “caixa” é ocupado por diferentes espaços, onde se destaca uma (enorme) sala de exposições, que pretende ser o coração do equipamento (vejam nas plantas). 
A luz também possuí um papel fundamental neste exercício. Através de alguns “rasgos cirúrgicos” na cobertura que funciona também como pequenas varandas (vejam nas imagens), os autores conseguiram construir um cenário fantástico. Os raios de sol rompem o coração do equipamento (sala de exposições) e ao mesmo tempo, revelam-nos a rochosa encosta onde o volume se insere, criando um ambiente único.
Para concluir, este exercício é entendido como uma pesquisa, onde os alunos tentaram repensar a atual instalação de dispositivos espaciais permanentes nas fronteiras entre terra e mar, como por exemplo os faróis e ao mesmo tempo, pretenderam também, criar uma peça única, capaz de transmitir sensações nunca antes vividas.
Excelente raciocínio e conceito. Adorei o trabalho e agora, a questão que paira no ar é: Se fossem professores de projeto, que nota davam a estes alunos? 
Cliquem nas imagens e vejam-nas em alta definição.
+
evangelinejoseph:

baesil:

wow where is this

This is pretty
+
subtilitas:

Elisa Valero Ramos - Kindergarten, Granada 2011. Photos (C) Fernando Alda. 
subtilitas:

Elisa Valero Ramos - Kindergarten, Granada 2011. Photos (C) Fernando Alda. 
+
subtilitas:

CVDB Arquitectos - Arraiolos textile museum, Arraiolos 2013. Photos (C) Fernando Guerra. 
subtilitas:

CVDB Arquitectos - Arraiolos textile museum, Arraiolos 2013. Photos (C) Fernando Guerra. 
subtilitas:

CVDB Arquitectos - Arraiolos textile museum, Arraiolos 2013. Photos (C) Fernando Guerra. 
subtilitas:

CVDB Arquitectos - Arraiolos textile museum, Arraiolos 2013. Photos (C) Fernando Guerra. 
+
let-s-build-a-home:

Summer at the Farnsworth House
Plano, Illinois. September 14, 2013.©2013, César Ambriz. All Rights Reserved.Notes: Designed and constructed by Ludwig Mies van der Rohe. Completed in 1951.
+
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
unknowneditors:

Naomi Vona
Unique collages from Tumblr artist Naomi Vona. These are stunning!
ARTIST STATEMENT
Naomi Vona (Desio 1982) is an Italian artist that lives in Dublin, Ireland. Her work combines different interests like photography, collages and video art. Her latest project is focused on collages, where she works on vintage found photos creating a new interpretation of the original shots simply using pens, paper, colored tape and stickers.
Naomi Vona: Flickr, Wordpress, Saatchi Online, Tumblr



We’re Unknown Editors. Check us out on Facebook & Instagram
+
likeafieldmouse:

Brian Oldham - Beautiful Lies (2013)
likeafieldmouse:

Brian Oldham - Beautiful Lies (2013)
+
devidsketchbook:

ORNETTE
Leslie David is a graphic designer, art director and illustrator based in Paris. 
(Album cover for Ornette) 
Photographer : Gregoire Alexandre
Make up : Anthony Preel
[via: leslieseuffert]
devidsketchbook:

ORNETTE
Leslie David is a graphic designer, art director and illustrator based in Paris. 
(Album cover for Ornette) 
Photographer : Gregoire Alexandre
Make up : Anthony Preel
[via: leslieseuffert]
devidsketchbook:

ORNETTE
Leslie David is a graphic designer, art director and illustrator based in Paris. 
(Album cover for Ornette) 
Photographer : Gregoire Alexandre
Make up : Anthony Preel
[via: leslieseuffert]
+
redhousecanada:

© oscar niemeyer - EGC headquarters - rio de janeiro, brazil - 1949
+
jacobvanloon:

Jacob van LoonOstinatoAcrylic, photographs and nails3x8’
jacobvanloon:

Jacob van LoonOstinatoAcrylic, photographs and nails3x8’
+
+
rudygodinez:

Eugene Liebaut, House at Sint-Antelinks, (1993-1996)
Liebaut deliberately sets out “to burden the already overfull landscape as little as possible”. He wants to create houses that do not really occupy the land but they appear to float, giving the impression of being mobile installations which, if so desired, can be moved or removed, so that “the landscape can be restored at any time”.
In the late 1980’s Liebaut acquired a lot at the edge of the quiet village of Sint-Antelinks, overlooking a valley of the Flemmish Ardennes. After exploring the possibilities of the site with different plans, he opted for a sheltered dwelling platform, lifted off the ground and enjoying a view of nature on all sides. The house was given a most elementary form, a pure rectangular prismopened up with oblong Corbusian strip windows. This white prism seems to be a striking realization of Le Corbusier’s view of “a marvelous sign of clarity in the middle of the confusion of nature”. An expression of “geometric will, a gesture of optimism”. Despite this apparent purism, the geometrical body does not adopt a commanding attitude toward it’s built context. The edge of the roof barely extends beyond the eaves of the surrounding saddle roofs. Hidden behind a hedge, It is not raised on pilotis but sits a little sunken into the slope. The prism only shows it’s crystalline form to it’s immediate surroundings in the garden.
Eugeen Liebaut’s own house can be seen as exemplary of the approach he adopts in most of his house designs. Not that they all turn out as pure prisms. Depending on the impediments of the built context, the geometrical bodies assume individual character with intriguing bends, bevels and curves. They become latently biomorphous bodies that respond to their surroundings with a particular attitude, a specific expression.
rudygodinez:

Eugene Liebaut, House at Sint-Antelinks, (1993-1996)
Liebaut deliberately sets out “to burden the already overfull landscape as little as possible”. He wants to create houses that do not really occupy the land but they appear to float, giving the impression of being mobile installations which, if so desired, can be moved or removed, so that “the landscape can be restored at any time”.
In the late 1980’s Liebaut acquired a lot at the edge of the quiet village of Sint-Antelinks, overlooking a valley of the Flemmish Ardennes. After exploring the possibilities of the site with different plans, he opted for a sheltered dwelling platform, lifted off the ground and enjoying a view of nature on all sides. The house was given a most elementary form, a pure rectangular prismopened up with oblong Corbusian strip windows. This white prism seems to be a striking realization of Le Corbusier’s view of “a marvelous sign of clarity in the middle of the confusion of nature”. An expression of “geometric will, a gesture of optimism”. Despite this apparent purism, the geometrical body does not adopt a commanding attitude toward it’s built context. The edge of the roof barely extends beyond the eaves of the surrounding saddle roofs. Hidden behind a hedge, It is not raised on pilotis but sits a little sunken into the slope. The prism only shows it’s crystalline form to it’s immediate surroundings in the garden.
Eugeen Liebaut’s own house can be seen as exemplary of the approach he adopts in most of his house designs. Not that they all turn out as pure prisms. Depending on the impediments of the built context, the geometrical bodies assume individual character with intriguing bends, bevels and curves. They become latently biomorphous bodies that respond to their surroundings with a particular attitude, a specific expression.
rudygodinez:

Eugene Liebaut, House at Sint-Antelinks, (1993-1996)
Liebaut deliberately sets out “to burden the already overfull landscape as little as possible”. He wants to create houses that do not really occupy the land but they appear to float, giving the impression of being mobile installations which, if so desired, can be moved or removed, so that “the landscape can be restored at any time”.
In the late 1980’s Liebaut acquired a lot at the edge of the quiet village of Sint-Antelinks, overlooking a valley of the Flemmish Ardennes. After exploring the possibilities of the site with different plans, he opted for a sheltered dwelling platform, lifted off the ground and enjoying a view of nature on all sides. The house was given a most elementary form, a pure rectangular prismopened up with oblong Corbusian strip windows. This white prism seems to be a striking realization of Le Corbusier’s view of “a marvelous sign of clarity in the middle of the confusion of nature”. An expression of “geometric will, a gesture of optimism”. Despite this apparent purism, the geometrical body does not adopt a commanding attitude toward it’s built context. The edge of the roof barely extends beyond the eaves of the surrounding saddle roofs. Hidden behind a hedge, It is not raised on pilotis but sits a little sunken into the slope. The prism only shows it’s crystalline form to it’s immediate surroundings in the garden.
Eugeen Liebaut’s own house can be seen as exemplary of the approach he adopts in most of his house designs. Not that they all turn out as pure prisms. Depending on the impediments of the built context, the geometrical bodies assume individual character with intriguing bends, bevels and curves. They become latently biomorphous bodies that respond to their surroundings with a particular attitude, a specific expression.
rudygodinez:

Eugene Liebaut, House at Sint-Antelinks, (1993-1996)
Liebaut deliberately sets out “to burden the already overfull landscape as little as possible”. He wants to create houses that do not really occupy the land but they appear to float, giving the impression of being mobile installations which, if so desired, can be moved or removed, so that “the landscape can be restored at any time”.
In the late 1980’s Liebaut acquired a lot at the edge of the quiet village of Sint-Antelinks, overlooking a valley of the Flemmish Ardennes. After exploring the possibilities of the site with different plans, he opted for a sheltered dwelling platform, lifted off the ground and enjoying a view of nature on all sides. The house was given a most elementary form, a pure rectangular prismopened up with oblong Corbusian strip windows. This white prism seems to be a striking realization of Le Corbusier’s view of “a marvelous sign of clarity in the middle of the confusion of nature”. An expression of “geometric will, a gesture of optimism”. Despite this apparent purism, the geometrical body does not adopt a commanding attitude toward it’s built context. The edge of the roof barely extends beyond the eaves of the surrounding saddle roofs. Hidden behind a hedge, It is not raised on pilotis but sits a little sunken into the slope. The prism only shows it’s crystalline form to it’s immediate surroundings in the garden.
Eugeen Liebaut’s own house can be seen as exemplary of the approach he adopts in most of his house designs. Not that they all turn out as pure prisms. Depending on the impediments of the built context, the geometrical bodies assume individual character with intriguing bends, bevels and curves. They become latently biomorphous bodies that respond to their surroundings with a particular attitude, a specific expression.
rudygodinez:

Eugene Liebaut, House at Sint-Antelinks, (1993-1996)
Liebaut deliberately sets out “to burden the already overfull landscape as little as possible”. He wants to create houses that do not really occupy the land but they appear to float, giving the impression of being mobile installations which, if so desired, can be moved or removed, so that “the landscape can be restored at any time”.
In the late 1980’s Liebaut acquired a lot at the edge of the quiet village of Sint-Antelinks, overlooking a valley of the Flemmish Ardennes. After exploring the possibilities of the site with different plans, he opted for a sheltered dwelling platform, lifted off the ground and enjoying a view of nature on all sides. The house was given a most elementary form, a pure rectangular prismopened up with oblong Corbusian strip windows. This white prism seems to be a striking realization of Le Corbusier’s view of “a marvelous sign of clarity in the middle of the confusion of nature”. An expression of “geometric will, a gesture of optimism”. Despite this apparent purism, the geometrical body does not adopt a commanding attitude toward it’s built context. The edge of the roof barely extends beyond the eaves of the surrounding saddle roofs. Hidden behind a hedge, It is not raised on pilotis but sits a little sunken into the slope. The prism only shows it’s crystalline form to it’s immediate surroundings in the garden.
Eugeen Liebaut’s own house can be seen as exemplary of the approach he adopts in most of his house designs. Not that they all turn out as pure prisms. Depending on the impediments of the built context, the geometrical bodies assume individual character with intriguing bends, bevels and curves. They become latently biomorphous bodies that respond to their surroundings with a particular attitude, a specific expression.
+
komalantz:

Wilhelminapier by Bart van Damme on Flickr.
Via Flickr: Wilhelminapier seen from the Erasmus Bridge, Rotterdam, Zuid-Holland, The Netherlands.website | maasvlakte book | portfolio book | getty images [FLTR] KPN Building by Renzo Piano, De Rotterdam [nearly finished] by Rem Koolhaas/OMA, New Orleans by Alvaro Siza.
+
poeticasvisuais:

Human Movement Converted Into Digital Sculptures
Motion sculptures for CCTV Documentary Channel is a digital metaphor of phenomenal blinks and moments that life consists of. In four Idents we follow a visual performance of organic and vital substance, animated using data of actors movements.
poeticasvisuais:

Human Movement Converted Into Digital Sculptures
Motion sculptures for CCTV Documentary Channel is a digital metaphor of phenomenal blinks and moments that life consists of. In four Idents we follow a visual performance of organic and vital substance, animated using data of actors movements.
poeticasvisuais:

Human Movement Converted Into Digital Sculptures
Motion sculptures for CCTV Documentary Channel is a digital metaphor of phenomenal blinks and moments that life consists of. In four Idents we follow a visual performance of organic and vital substance, animated using data of actors movements.
poeticasvisuais:

Human Movement Converted Into Digital Sculptures
Motion sculptures for CCTV Documentary Channel is a digital metaphor of phenomenal blinks and moments that life consists of. In four Idents we follow a visual performance of organic and vital substance, animated using data of actors movements.